O casamento ao ar livre da Vallídia e do Leo

Mais uma história que a gente ama (e se orgulha) de contar por aqui! A querida Vallídia celebrou em um hotel, ao ar livre, e a cerimônia foi a cara dos noivos! Cheia de inspirações lindas bem ao nosso estilo de “Case como quiser“.

 

Vem ver e se inspirar:

Você pode nos contar um pouco sobre sua celebração de casamento?
Quem acompanhou a história do nosso romance, desejava tanto quanto nós o dia da celebração do nosso casamento. Foram anos de espera um pelo outro e a celebração desse dia precisava representar isso. Somos de estados diferentes, e logo que começamos a pensar em casar, nosso primeiro acordo foi: vamos casar em uma cidade morar em outra. Daí acabei vindo morar em Boa Vista-Roraima e então, casamos em Parintins-Amazonas. Esse foi nosso primeiro desafio, planejar um casamento morando em outra cidade. Depois alguns contratempos, e faltando apenas 6 meses para o dia que escolhemos eu tive um sonho. Sim, foi através desse sonho que decidimos realizar a cerimônia e a festa no Hotel Amazon River. E foi incrível! Eles simplesmente ofereciam tudo o que precisávamos e se encaixavam perfeitamente na nossa proposta. Desde a hospedagem dos convidados de fora, ao cuidado com os noivos.

A noiva entrou com os pais. Lindo!

 

Escolhemos nos cercar de pessoas que nos conhecem bem para cerimônia. Então os celebrantes foram nossos pastores que nos conhecem bem. As primas do Léo que cantaram e claro, minha entrada foi cantada pelo noivo. Ele não deixou eu saber a música, foi surpresa e foi perfeito, pois tinha tudo a ver com a nossa história (A dois- Paulo César Baruk). Precisávamos de uma simbologia para o nosso casamento, e a Cruz com o cordão de três dobras (nós e Deus) ficou perfeito, inclusive esse foi o tema da mensagem do Pastor.

 

 

Por que você optou por uma cerimônia igual a essa?
Somos cristãos, e tínhamos um desejo para a cerimônia do nosso casamento. Era que as pessoas sentissem a presença de Deus, por isso trabalhamos muito para que fosse ao ar livre. O tempo estava uma loucura, de forma atípica para a temporada estava chovendo todos os dias. A minha família e os fornecedores começaram a se preocupar. Tínhamos um plano B, mas eu e o Leo (o noivo) estávamos confiantes que do jeito que fosse seria igualmente lindo e especial. No dia anterior choveu forte, mas no dia do casamento amanheceu com o sol mais lindo que há dias não se via. Então tudo foi organizado exatamente como planejado. Já estava tudo pronto, eu já havia descido do quarto do hotel onde onde tudo foi realizado, o cortejo já estava enfileirado e, choveu. Uma chuva rápida, de uns dez minutos, só pra refrescar o clima. Alguns podem ter pensado, e agora? Eu só conseguia olhar pro céu e dizer: Deus, obrigada por estar aqui! Olhei pra trás e vi um lindo arco íris se formando. Sério! Não existe nada mais bonito que um céu depois da chuva.

 

Quanto tempo você levou organizando tudo?
O tempo entre o noivado e o casamento foi de exatamente 10 meses. A primeira coisa que fizemos foi a lista de convidados para podermos definir nosso orçamento. Tínhamos um valor em mente, mas se fosse depender só de nós, não conseguiríamos. Mas graças a Deus, minha família se empenhou e entrou de cabeça no nosso sonho. Fechamos com o Hotel 6 meses, uma das melhores decisões que tomamos, pois o pacote incluía varias serviços (decoração, buffet, cerimonial, musica e iluminação), o que diminuiu muito as nossas preocupações. Só precisamos contratar por fora os doces, que a nossa amiga fez exatamente como queríamos: nada de pasta americana, nada de doces decorados, tudo muito simples, mas extremamente saboroso, além de doces de frutas maravilhosos.

 

Como foi a escolha de seu vestido?
Encontrei O Amor é Simples nas minhas buscas na internet. Desde sempre eu soube que não queria nada muito tradicional. Eu não conseguia me encaixar nesse estilo. Assistia aqueles programas de noiva da TV e só conseguia pensar: deve ser muito pesado, nem da pra se mexer direito, muito apertado,  muitas saias. O Gaia foi amor à primeira vista, mas são tantos modelos lindos que eu ficava pensando até em pegar um pedaço de cada um pra fazer o meu. Depois da insistência de algumas pessoas, fui a duas lojas de vestidos de noiva. A primeira aqui em Boa Vista, simplesmente não achei nada que me agradasse, depois fui em Manaus, vestidos lindos, mas não eram pra mim, fora o preço absurdo e somente para aluguel. A experiência me serviu para eu realmente decidir comprar o meu vestido no site. Minha irmã me presenteou com ele, e a partir do momento que decidimos pelo Gaia, o contato com a Nati foi todo pelo WhatsApp. Ela me passou tanta segurança, como se eu estivesse falando com uma amiga. Tanto, que arrisquei enviar o vestido direto para Parintins e eu só o vi 1 semana antes do casamento. Minha vizinha, que é uma costureira maravilhosa, me presenteou com o ajuste que ele precisou na barra e aproveitamos para colocar umas pérolas no decote e no cinto.

Ficou perfeito. Exatamente o que eu sonhava, um vestido romântico, esvoaçante e bem leve.

 

Ah e é claro, a minha coroa e a das daminhas fez o maior sucesso.

Para dar o toque final, me faltava uma ideia para o buquê. Eu cogitava inclusive a ideia de não ter um, porque não me agradava a ideia de nada muito tradicional. Até que a nossa cerimonialista resolveu arriscar e me mandou uma referência de um hoop bouquet. “Era exatamente a ideia que eu precisava”. Em Parintins, não temos uma floricultura tradicional, por causa do clima e da distância. Mas existe uma empresa de flores tropicais, e eles prontamente aceitaram o desafio do buquê “diferentão”. Foi um dos detalhes mais falados no casamento.

 

Para sua festa, houve alguma coisa que você não abrisse mão de jeito nenhum?
Duas coisa que queríamos para a nossa festa: que os convidados se sentissem como se estivessem em uma grande reunião de família, nada muito formal, por isso os sofás e as mesas comunitárias. E em segundo lugar, não queríamos de jeito nenhum fila para fotos, nem passar um tempão fazendo fotos posadas. Queríamos realmente curtir o momento, e assim foi.

 

Em que a decoração foi inspirada?
Nosso estilo de vida é muito simples, e como o Leo é arquiteto, gosta muito de coisas feitas à mão. Então colocamos todos pra trabalhar. Minha mãe reparei a fazer o macramê que a avó dela havia ensinado quando ela ainda era adolescente. Meu pai customizou o tonel de combustível, a máquina de costura antiga e a cadeira de penteadeira, e fez o quadro de assinaturas e o quadro da Cruz da cerimônia. O noivo fez os cata-ventos, os corações, e toda a identidade visual do casamento. A partir dessas ideias a equipe do hotel transformou aquele lugar no nosso sonho. Uma decoração bem personalizada.

 

 

Qual seria o conselho nº 1 que você dá para suas amigas noivas?
Meu cunhado pediu a namorada dele em casamento no dia do nosso. Fizemos aquele teatro de jogar o buquê e eu o entreguei nas mãos dela. Foi muito divertido e emocionante, como toda a família presente. Hoje eu vivo repetindo pra eles o conselho que vi aqui no blog : “case como quiser”. A opinião dos outros deve ser sim levada em consideração, mas elas não podem definir ser gostos e vontades.

 

 

Coisa mais linda, né? Obrigada por nos escolher e por tanto carinho ao compartilhar sua história. Desejamos muito amor!

 

Deixe uma resposta